Portal do Agro
Artigos Colunistas Notícias

CASOS DE ENCEFALOMIELITE EQUINA NA ARGENTINA PREOCUPA CRIADORES DO BRASIL E URUGUAI

Toda a fronteira Sul do Brasil está sob alerta após a confirmação de casos de encefalomielite equina na Argentina; em especial, criadores de cavalos da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, devido à ocorrência de diversos casos da doença no país vizinho. As autoridades sanitárias brasileiras já tomaram as primeiras providências para minimizar as chances de entrada da doença em território brasileiro.

O SENASA (Serviço de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina) confirmou casos da doença nas províncias de Corrientes e em Santa Fé. Animais com diferentes quadros clínicos da doença foram relatados e as medidas para evitar que a doença se alastre pela Argentina e países vizinhos (Brasil e Uruguai), estão sendo tomadas pelas autoridades dos três países.

Até o momento, o Rio Grande do Sul não apresentou nenhum registro da doença, e a situação está sendo monitorada pela Secretaria da Agricultura e pela Superintendência Regional do Ministério da Agricultura. Profissionais foram designados para acompanhar o caso, mas até o momento não houve nenhuma recomendação oficial do MAPA (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento) aos criadores, salvo a de informar as autoridades veterinárias locais em caso de qualquer suspeita ou mesmo anomalia no comportamento dos equídeos.

A encefalomielite equina tem três tipos conhecidos, que são: a venezuelana, a do leste e do oeste. Os casos identificados na província de Santa Fé são todos do tipo oeste, e segundo o SENASA, semelhantes ao registrado em 1988 no país.

A doença é causada por um Alphavirus da família Togarividae transmitido pela picada de mosquitos contaminados com o vírus. Isso destaca a importância no manejo de combate a esses vetores como medida de minimizar os riscos para a tropa. Aves, roedores e repteis são reservatórios do vírus, já homem e os equídeos são hospedeiros acidentais. Após a picada do mosquito infectado, o vírus fica de 5 a 14 dias encubado até que os animais apresentem os primeiros sinais clínicos da doença.

De notificação obrigatória e imediata, a encefalomielite equina é uma zoonose que tem como principais sinais clínicos a febre, falta de apetite e depressão. Com a evolução do quadro clínico, poderão ser observados hiperexcitabilidade, cegueira, desorientação no andar, animal permanece deitado, convulsões e morte.

O Ministério de Pecuária, Agricultura e Pesca do Uruguai emitiu orientações sobre a doença enquanto aguarda os resultados dos exames em casos suspeitos. Até a publicação desse artigo, o MAPA (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento) do Brasil ainda não havia se manifestado formalmente sobre o caso, tampouco nenhuma nota foi encontrada no site do MAPA. Nos sites oficiais das Secretarias dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina também não foram encontradas nenhuma nota a respeito do caso próximo às suas fronteiras. Em contrapartida à não manifestação do MAPA e dessas Secretarias, a ADAPAR (Agência de Defesa Sanitária Agropecuária do Paraná) emitiu, no dia 29 de novembro, nota de alerta para a doença, relatando o caso no país vizinho e orientando os criadores e veterinários sobre a doença, bem com pedindo que as autoridades veterinárias do Estado fossem procuradas em qualquer caso suspeito ou qualquer anomalia no comportamento dos animais.

O alerta da ADAPAR diz que qualquer sinal nervoso em equinos deve ser imediatamente notificado às autoridades de saúde animal do Estado. Destaca ainda que a atenção às boas práticas quanto a diminuição de presença de mosquitos nos animais e nos estábulos devem ser levados ao extremo e ainda sugere-se a vacinação dos animais que ainda não receberam a vacina contra a encefalomielite equina.

A vacinação contra a encefalomielite é de rotina e a vacina está disponível nas principais casas agropecuárias de todo o Brasil. O caso do “surto! na Argentina serve de alerta aos criadores brasileiros para a importância de um bom calendário de vacinação dos seus animais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Pecuária, pesca e aquicultura são atrações da Agropesc do município de Amapá

Redação Portal do Agro

Circuito TecnoAgro confirmado para junho com II ExpoBúfalo e I ExpoLeilão em Macapá

Redação Portal do Agro

Amapá livre da aftosa aumenta competitividade da carne local, diz presidente da DIAGRO

Redação Portal do Agro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies