Portal do Agro
O evento será realizado pela Superintendência de Relações Internacionais da CNA, em Brasília | Arquivo
Destaque Notícias

Seminário na CNA vai abordar impactos de novas tecnologias no comércio Brasil-China

As principais tendências e os desafios para o desenvolvimento de pesquisas tecnológicas serão abordados no seminário “Agro em Questão: China e Brasil – Agricultura e Biotecnologia”. O evento será realizado pela Superintendência de Relações Internacionais da CNA no dia 25 de abril, em Brasília. 

A assessora de investimentos e especialista em mercado chinês Larissa Wachholz, que está envolvida em diversas negociações entre empresas brasileiras e chinesas, participará do painel “Novas tecnologias e o impacto para o comércio de alimentos entre China e Brasil”.

“A China é um dos países que mais investem em tecnologias voltadas para as ciências agrícolas. Devido à preocupação com a segurança alimentar, o volume de recursos destinado para essa área é impressionante”, destaca Larissa, que é sócia da boutique de negócios e investimentos Vallya, além de sócia-fundadora e membro do Conselho do Instituto de Relações Governamentais (Irelgov).

Desde 2009, a China é o maior parceiro comercial do Brasil. O país asiático é principal mercado para as exportações agropecuárias brasileiras e destino de 38% das vendas totais do setor.

De acordo com Larissa, o seminário realizado pela CNA possibilitará uma importante troca de informações sobre os avanços da tecnologia agrícola no país asiático, um assunto que ainda é pouco discutido no Brasil. “O Brasil é referência na produção agropecuária e tem na China um grande cliente. A China, por sua vez, além de também ser líder na produção de diversos produtos agrícolas, investe largamente em tecnologia e pesquisa para aprimorar suas práticas e diversificar a produção. As oportunidades de intercâmbio são inúmeras, mas o desconhecimento ainda é grande, sobretudo quanto aos avanços dos chineses em biotecnologia”, destacou.

O grande potencial para a cooperação em aquicultura é outra área destacada pela especialista. “A China é, de longe, o maior produtor mundial de pescados e mariscos. Essa área da piscicultura é bastante tecnificada e exige muita pesquisa até que sejam encontradas novas espécies que possam ser trabalhadas comercialmente”, explicou. O Brasil tem grandes oportunidades para a produção de peixes de água doce. “Essas potencialidades podem ser alavancadas a partir da troca de experiências com a China”, observou.

Agro em Questão será no próximo dia 25

O Seminário Agro em “Agro em Questão: China e Brasil – Agricultura e Biotecnologia” é gratuito. Para visualizar a programação e realizar a inscrição, acesse: https://www.cnabrasil.org.br/formularios?form=agro-em-questao-biotecnologia-brasil-e-china

Estarão presentes na abertura o presidente da CNA, João Martins, a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Atrações da culinária amapaense na Semana da Gastronomia Regional em Brasília

Redação Portal do Agro

Escolha da Rainha da ExpoVale marca início da programação cultural da feira

Redação Portal do Agro

Nova fábrica de ração deve reduzir os custos do cultivo de peixes no Amapá

Redação Portal do Agro