Portal do Agro
Artigos Destaque

O que mudou com o novo decreto que flexibiliza a posse de arma no campo ou na cidade?

Algumas mudanças relevantes puderam ser vistas a partir da assinatura do decreto pelo Presidente da República Jair Bolsonaro, veja agora quais foram as mudanças e como elas podem impactar a sua vida.

O Estatuto do Desarmamento, ou Lei 10.826/03, regulamenta as condições para que um cidadão possa ter posse de arma no Brasil. Eram as seguintes:

1.Ser maior de 25 anos;

2.Possuir residência fixa e emprego lícito;

3.Não ter sido condenado e nem responder a qualquer tipo de inquérito ou processo criminal;

4.Comprovar capacidade técnica e psicológica para manuseio da arma de fogo;

5.Comprovar efetiva necessidade de possuir o equipamento.

Dessa forma, a Polícia Federal analisa se a pessoa realmente precisa da arma de fogo. Se não for o caso, a licença para a posse é negada. Para caçadores, colecionadores e atiradores desportivos, o processo é regulado pelo Exército, com critérios próprios para cada categoria.

O decreto presidencial n° 9.685/19, assinado em 15/01/2019, flexibilizou a posse de armas para a população civil. Veja, então, o que muda e o que não muda a partir de agora:

  1. Idade mínima: continua a ser 25 anos;
  2. Emprego e residência: continua a ser necessário possuir ocupação lícita e residência fixa;
  3. Antecedentes criminais: continuam sendo necessárias as certidões negativas de antecedentes criminais e a comprovação de não sofrer inquérito ou processo criminal;
  4. Capacidade técnica e psicológica: ainda é necessária a comprovação;
  5. Declaração de necessidade: o poder público vai assumir a veracidade das informações alegadas pelo requerente, desde que ele faça parte das categorias que poderão ter a posse de arma de fogo.

O decreto presidencial não muda o local onde a arma deve permanecer: em casa ou no trabalho. No entanto, acrescenta que em residências onde moram crianças, adolescentes ou pessoas com deficiência mental, será necessária a comprovação da existência de um cofre ou local seguro.

Além disso, terá direito à posse de arma apenas aqueles que se encaixam nas seguintes categorias:

  1. Agente público ligado aos órgãos de segurança e ao sistema socioeducativo, mesmo que inativo;
  2. Militar ativo ou inativo;
  3. Morador de área rural;
  4. Dono de estabelecimento comercial ou industrial;
  5. Morador de zona urbana localizada em um estado com mais dez homicídios por cem mil pessoas.

Os caçadores, colecionadores e atiradores também foram afetados pelo decreto. Apesar de ainda precisarem estar registrados no Comando do Exército, os cidadãos que exercerem qualquer uma das três atividades terão, automaticamente, a necessidade da posse de arma comprovada.

O Presidente também alterou a quantidade de armas que cada um pode ter e o tempo de validade da licença. Se antes só era possível ter a posse de apenas uma arma de fogo, agora é possível ter a posse de quatro delas. Já a licença foi aumentada de 5 para 10 anos.

Bianca Vivas – Setor de Comunicação

Escritório de Advocacia Valença, Lopes e Vasconcelos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

“O Amapá hoje é o estado mais bem mapeado do Brasil”, diz general do Exército

Redação Portal do Agro

Bioativador à base de algas marinhas pode aumentar produtividade do arroz

Redação Portal do Agro

Informe do Agro – Nova Lei Fundiária sancionada no Amapá viabilizará a economia do estado

Redação Portal do Agro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies