Portal do Agro
O valor da produção de silvicultura e extração vegetal fica em R$ 206,8 milhões no Amapá | Foto: Marcelo Furtado
Notícias

Produção de silvicultura e extração vegetal registra queda de 6,2% no Amapá

Da Redação

O Amapá registra uma queda de 6,2% ante os dados do período anterior a 2019, o que reflete redução na silvicultura no estado. São informações da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) 2020, que investiga 44 produtos do extrativismo e da silvicultura em todos os municípios do país.

Em 2020, no Amapá, a silvicultura contribuiu com 71,3% (R$ 147,5 milhões) do valor da produção florestal (R$ 206,8 milhões), com queda de 8,0% em relação a 2019. Já a participação da extração vegetal (coleta de produtos em matas e florestas nativas) foi de 28,7% (R$ 59,3 milhões), com redução de 1,4% frente a 2019.

A madeira representa 96,5% do valor da produção florestal. Houve queda de 8,0% no valor da produção dos produtos madeireiros da silvicultura e queda de 2,4% no da extração vegetal. O único produto madeireiro da silvicultura no Amapá é madeira em tora.

Os produtos madeireiros representam 87,7% da extração vegetal e os alimentícios, 12,3%.

A área de floresta plantada do Amapá soma 63.282 hectares. A produção de eucalipto para a indústria de papel ocupa 61.764 hectares, enquanto o pinus está em 40 ha, e outras espécies em 1.478 ha. Cerca de 57,0% das áreas de eucalipto concentraram-se em Ferreira Gomes, 75,0% das florestas de pinus e 100,0% de outras espécies encontram-se em Tartarugalzinho.

Ferreira Gomes continua a ter o maior valor da produção (R$ 57,8 milhões) que representa 39,2% do valor estadual da silvicultura, com Macapá (R$ 49,0 milhões) a seguir.

Valor da produção da silvicultura caiu 8,0%

O valor da produção da silvicultura atingiu R$ 147,5 milhões, com queda anual de 8,0%. Todos os grupos reduziram: madeira em tora para papel e celulose (-8,1%) e madeira em tora para outras finalidades (-6,3%).

Ferreira Gomes é o município com maior valor de produção na silvicultura

Ferreira Gomes liderou o ranking de valor da produção da silvicultura (R$ 57,8 milhões), com destaque para a produção de madeira em tora para papel e celulose (R$ 49,9 milhões), advinda de eucalipto.

Em segundo lugar, vinha Macapá com valor total de produção na silvicultura de R$ 49,0 milhões.

Área de florestas plantadas cresceu 7,9%

Em 2020, de um total de 63,3 mil hectares de florestas plantadas no Amapá, houve aumento de 7,9% (4,7 mil hectares) de cobertura. Todos os municípios ampliaram a área plantada.

Eucalipto foi responsável pela cobertura de 97,6% das áreas de florestas plantadas para fins comerciais e somaram 61,8 mil hectares. Outras espécies representaram 2,3% (1,5 mil hectares) e pinus, 0,1% (40 hectares).

Ferreira Gomes concentrou 55,5% da área de florestas plantadas e Macapá, 19,2%.

Extrativismo reduz 1,4% e fica em R$ 59,3 milhões

Em 2020, o valor de produção da extração vegetal reduziu 1,4%, totalizando R$ 59,3 milhões.

O grupo dos produtos madeireiros teve a maior participação no valor da produção do extrativismo amapaense (88,8%). O valor da produção do grupo (R$ 52,7 milhões) caiu 2,2%, com o recuo de 4,4% na madeira em tora. Mas houve aumento de 7,5% para o carvão vegetal e de 4,9% para a lenha.

Porto Grande permanece como o maior produtor de madeira em tora, com 142,5 mil metros cúbicos e quedas de 5,2% no volume e de 7,7% no valor da produção.

Macapá lidera a produção de carvão vegetal extrativo, com uma produção de 232 toneladas representou 16,8% do total estadual em 2020. O valor de produção de Macapá cresceu 10,0%, atingindo R$ 463 mil.

Açaí segue com o maior valor da produção (R$ 6,4 mi) entre não-madeireiros

Em 2020, o valor da produção extrativa não-madeireira cresceu 6,2%, totalizando R$ 7,3 milhões. Essa atividade é importante para as comunidades tradicionais. No Amapá, acompanha-se apenas a produção do grupo dos alimentícios. O açaí continuou com a maior participação (87,3%) no valor de produção desse grupo.

Em 2020, a produção de açaí no Amapá foi de 3.067 toneladas, 0,3% acima da obtida em 2019. Ainda assim, o valor de produção subiu 5,4%, totalizando R$ 6,4 milhões.

Macapá é o maior produtor de açaí do estado, com 757 toneladas, ou 24,7% do total amapaense. Mazagão é o segundo com 549 toneladas (17,9%).

Atualmente, a maior parte da produção de açaí tem origem em áreas cultivadas, acompanhadas pela Produção Agrícola Municipal (PAM) do IBGE. Entretanto, no Amapá ainda não se tem o acompanhamento dessa cultura.

O valor da produção da castanha-do-pará, ou castanha-do-brasil, subiu 11,7%, totalizando R$ 906 mil, com aumento de 2,5% na safra (416 toneladas no total). Vitória do Jari segue na liderança estadual, com 242 toneladas do produto, concentrando 58,2% do volume total registrado no Amapá.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

A chegada da soja vai promover uma revolução na gastronomia do Amapá, diz especialista

Redação Portal do Agro

Agenda do ministro Blairo Maggi inclui a inauguração oficial da Casa do Agro em Macapá

Redação Portal do Agro

Exército entrega mapeamento de terras rurais para Amapá iniciar regularização fundiária

Redação Portal do Agro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies