Portal do Agro
Congresso Andav 2022 também trouxe informações sobre mercado de proteínas e sustentabilidade | Foto: Divulgação
Destaque

Brasil pode exportar produtos agropecuários para mais países

Cleber Barbosa, da Redação

O Brasil já conquistou seu espaço como exportador pela alta qualidade e pela quantidade dos seus produtos. O desafio é diversificar mercados e abrir a economia. Essa foi a mensagem principal do  painel “Oferta e Demanda Global e a Diplomacia Brasileira para Abrir Novos Mercados”, moderado por Xico Graziano, durante o Congresso da Andav 2022, que se encerrou nesta sexta-feira, dia 19 de agosto, no Transamerica Expo Center, em São Paulo. O evento é uma realização da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumo Agrícolas e Veterinários (Andav) e organizado pela Zest Eventos.

A diretora de Relações Internacionais da CNA, Sueme Mori, contou que o Brasil abriu mercados para 212 produtos, entre 2019 e 2021, entretanto 10 produtos respondem por 85% das vendas externas. “Isso mostra que o país precisa diversificar sua pauta de exportações. Nesse aspecto, as prioridades, para os próximos anos, são o acesso a novos mercados, o fortalecimento da imagem do país e a promoção comercial”, citou. Para ela, a responsabilidade por garantir a qualidade dos alimentos deve ser compartilhada entre o setor privado e público.

Já Claudia Trevisan, diretora executiva do CEBC, destacou o a posição do Brasil como fornecedor de alimentos para a China e disse que os dois países estão negociando a abertura de mercados para cerca de 50 produtos do agro brasileiro. “Amendoim e milho receberam o sinal verde, em maio deste ano, sorgo e gergelim devem ser liberados até o fim de 2022. Frutas e lácteos também são promissores, além de produtos com grande valor agregado, mas é precisa definir estratégias para as negociações avançarem”, informou.

Enquanto Rubens Hannun, CEO H2R Pesquisas, apresentou as oportunidades do mercado árabe para o Brasil, cujas exportações multiplicaram por 10, entre 2001 e 2011, de US$ 1,48 bilhão, para US 15,03 bilhões. “Embora tenha ocorrido uma queda entre esse período e 2021, os negócios começaram a reagir e no ano passado chegou a US$ 14,39 bilhões. “O bloco é o terceiro maior comprador do Brasil e o primeiro em proteína halal”, disse.

Na palestra “Os compromissos do Brasil com a produção agropecuária sustentável”, Cléber Oliviera Soares, secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), lembrou que o Brasil é o país que mais avança no mundo no que se refere a descarbonização, devido a uma série de ações práticas já adotadas, tais como: sistemas de plantio direto, remanejamento de pastagens, florestas plantadas e sistemas de irrigação, entre outros. “A agricultura será cada vez mais bio e digital”, frisou.

Proteína e sustentabilidade

Nesta sexta-feira, dia 19 de agosto, o Fórum “Distribuição Veterinária”, que faz parte do Congresso Andav 2022, abordou dois temas principais: o mercado de proteína e a sustentabilidade. O CEO da My Carbon, Eduardo Brito Bastos, tratou do mercado regulado e o mercado voluntário de carbono, com seus aspectos, particularidades, desafios e certificações. O mercado voluntário depende apenas de uma certificação para atuar, o regulado demanda cerca de 170 certificações.  A China é líder das emissões de carbono, seguida por Estados Unidos e Europa.

No Painel “Panorama sobre sustentabilidade, ESG e Novas exigências do Mercado”, sob a moderação de Luarimar Vendrusculo, chefe geral da Embrapa Agrossilvipastorial, a coordenadora de Assuntos Estratégicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Maria Cristina Murgel, tratou do Código Florestal Brasileiro, e pontuou que apesar de fazer 10 anos de sua regulamentação, ainda há muito a ser feito, sendo necessária sua implementação em sua totalidade.

A gerente executiva do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS), Luiza Bruscato, comentou sobre a capacidade de a entidade reunir todoselos que compõem a cadeia e como tem sido o trabalho em cima dos três desafios: clima, como tratar as mudanças do uso do solo e a rastreabilidade nas fazendas.

Sobre o mercado de multiproteína, a coordenadora de Inteligência e Acesso a Mercado da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Lais Foltran, afirmou que o Brasil é o quarto maior produtor mundial de carne suína e nunca teve a Influenza Aviária na sua produção, o que coloca o País em uma posição diferenciada nesse cenário produtor. “Tanto avicultura quanto na suinocultura, nosso país gerou US$ 145 bilhões em receita cambial nos últimos vinte anos”, afirmou.

Lais salientou que os investimentos em tecnologia figuram entre os principais alicerces para o melhoramento genético, culminado na expansão da produção da carne suína como também da carne de frango.

SOBRE OS ORGANIZADORES

Andav

A Andav – Associação Nacional dos Distribuidores de Insumo Agrícolas e Veterinários há 32 anos representa o Distribuidor de Insumos Agropecuários e atualmente reúne mais de 2.200 empresas de todas as regiões do Brasil, responsáveis por levar as boas práticas ao campo e acima de tudo zelar pelo bom funcionamento da cadeia produtiva, ao estender conhecimento, produtos, serviços e tecnologia. 

Zest Eventos

A Zest Eventos nasce da união de mais de 12 anos de excelência e sucesso em construir eventos e trabalhar em equipe. Uma empresa dedicada a entregar experiências: além de criar e promover eventos físicos, digitais e híbridos, é especialista em desenvolver consultorias especializadas em marketing, vendas e projetos especiais para o setor B2B.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Presidente da Aprosoja fala sobre perspectivas para futuro do agronegócio no Amapá

Redação Portal do Agro

Pesquisador da Embrapa fala dos 39 anos da empresa no Amapá

Redação Portal do Agro

Amapá e Pará unem-se pelo controle sanitário animal e o combate ao furto de gado

Redação Portal do Agro