Portal do Agro
Artigos Colunistas Destaque

DOENÇA DE AUJESZKY – COMO UMA DOENÇA PODE ACENDER O SINAL DE ALERTA PARA A NECESSIDADE DE REFORÇO NA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DE TODO O PAÍS

No final de dezembro a Divisão de Defesa Sanitária Animal do Governo do Estado do Rio Grande do Sul soltou uma nota informando o caso da doença de Aujeszky no município de São Gabriel, na região da campanha Gaúcha, próximo da fronteira com o Uruguai.

A nota, que aponta as medidas profiláticas adotadas para conter a doença na região, mostra não somente a eficiência do serviço de defesa sanitária do Estado, mas também acende o alerta para a necessidade de ampliarmos a nossa fiscalização sanitária e de fronteira em todo país.

O Brasil, tido como o celeiro do mundo, tem o maior rebanho bovino comercial do mundo e é grande exportador dessa proteína. Também vem batendo recordes e recordes em exportação de carne suína e é um dos maiores produtores mundiais dessa proteína. Há anos o Brasil é tido como o maior exportador mundial de frango e atende 35% desse mercado. Crescemos ano a ano nossa produção e nossa participação de mercado, modernizamos nossas plantas, nossa maneira de produzir, mas; e nosso sistema de fiscalização sanitária?

Sabidamente o contingente de fiscais federais e estaduais é inferior ao que a nossa produção exige, e as últimas contratações não supriram sequer as aposentadorias das secretarias de defesa agropecuária federal e estaduais. Nosso sistema, embora tenha modernizado, ainda é fragmentado e as secretarias estaduais trabalham com uma colcha de retalhos que exige horas de retrabalho para a imputar os dados que não são automaticamente compartilhados entre os estados. Ou seja; é muito protocolo e burocracia que minam a nossa eficiência e nos torna perigosamente letárgicos.

Mas um alento vem do Mato Grosso, que em 2022 nomeou 129 fiscais agropecuários para atender ao déficit de profissionais no estado. Bom? Quase; pois esse número não supre sequer os aposentados nos últimos anos. Mas ainda assim é um bom começo para o estado que sai na frente de todo o Brasil com essa ação. Há a expectativa de nomeação de 240 veterinários aprovados no último concurso para defesa sanitária animal do estado que tem o maior rebanho do país e caminha a passos largos para o status de livre da febre aftosa sem vacinação.

Espera-se que os demais estados e o governo federal sigam o caminho apontado pelo MT e também reforcem seus sistemas de fiscalização sanitária animal e assim minimizemos as chances de qualquer intercorrência sanitária, que seria certamente catastrófica, afinal: quem se arvora ser o maior produtor mundial de alimentos não pode ter um sistema de fiscalização sanitária reduzido.

A DOENÇA DE AUJESZKY

A doença que disparou esse artigo é causada por um Herpesvírus (Alphaherpesvirinae) que pode acometer suídeos domésticos, silvestres e asselvajados. Também pode acometer outros mamíferos como bovinos, ovinos, caprinos, equinos, cães, gatos, coelhos e mamíferos silvestres, todos considerados hospedeiros finais.

Podendo causar a morte de até 100% dos leitões em maternidade, a doença tem menos de 3% de letalidade nas fases de crescimento e terminação e aí está o grande risco, pois os animais contaminados podem se tornar depositório e contaminar animais sadios. Destaca-se que a doença é de notificação obrigatória e todos os animais positivos dever ser abatidos dentro das regras sanitárias para a doença.

Cuidados como não introduzir animais silvestres na criação convencional, vacinar o rebanho e informar as autoridades em quaisquer sinais de anormalidade devem estar na rotina do produtor para que possamos minimizar os riscos dessa e outras doenças para nossos rebanhos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Minifábricas de castanha de caju trazem qualidade de vida ao homem do campo

Redação Portal do Agro

IBGE: Amapá teve crescimento de 141% de estabelecimentos e de 72% na área plantada

Redação Portal do Agro

Amapá participará de debate internacional sobre agronegócio do pescado

Cleber Barbosa

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies