Portal do Agro
Foto: kleber Nasper
Artigos Destaque

Exportação de soja: compra de diesel para a produção passa de R$ 5 milhões no Amapá

 

A exportação pode acontecer por vários fatores, a exemplo de quando um produto ou serviço possui alta qualidade e valor agregados se tornando competitivo o suficiente para ter o seu espaço no mercado, ou pode ser pela necessidade existente de seu consumo em outros países.

A exportação pode se dar de várias formas: de maneira direta, quando a venda é feita pelo produtor diretamente com o comprador em outro país; indireta, quando o produtor vende para uma empresa nacional que faz a venda ao comprador; perfeita, quando no processo de negociação não há nenhum intermediador; e imperfeita, quando a empresa ainda está ganhando experiência e precisa de um intermediador para exportar.

No caso da venda da soja produzida no Amapá, a venda ao comércio exterior é realizada na modalidade de “exportação indireta”. Os sojicultores amapaenses negociam com empresas como a Fiagril para a realizar a exportação para países do bloco europeu, Ásia ou mesmo das Américas. Aliás, a Fiagril, com sede em Macapá e como porto graneleiro instalado no Porto de Santana, ajuda os produtores do Amapá com o financiamento de insumos como calcário e fertilizantes e contrata antecipadamente a compra do produto.

A pergunta mais recorrente feita por quem não está acostumado ou ainda tem pouca compreensão sobre exportação, é “se a soja produzida aqui vai para outros países, o que o Amapá ganha com isso?”

O Amapá possui ganhos significativos com a exportação, afinal, quando um produto é vendido no comércio internacional, o dinheiro dessa venda entra na economia da região onde é produzido, no caso, esse dinheiro entra na economia do Amapá, e é distribuído em toda a sociedade através de sua cadeia produtiva.

Atualmente, a área de soja plantada no estado é de 20 mil hectares, e produz para exportação 52 mil toneladas, injetando na economia do local R$ 77 milhões, e ocupando 256 pessoas nas lavouras e mais de 2.500 em atividades nas cidades. Somente o consumo de diesel chegou, em 2018, a 1 milhão 395 mil litros, fazendo circular mais de R$ 5 milhões 231 mil nos postos de combustíveis, além impactar outros setores como o de transporte, máquinas, equipamentos e insumos agrícolas.

O consumo de diesel ajuda no surgimento e manutenção de negócios que ocupam diversas categorias profissionais, passando por gerentes, contadores, frentistas, transportadores, advogados, mecânicos, engenheiros, profissionais de manutenção, dentre outros.

 

Juan Monteiro – Jornalista, Especialista Em Marketing do Agronegócio

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Jantar com produtores rurais marca lançamento da Potência Agrícola no Amapá

Redação Portal do Agro

Entidades do agronegócio comemoram sanção da nova Lei Fundiária do Estado do Amapá

Redação Portal do Agro

Portal do Agro – Agronegócio na Amazônia – Vídeo promocional do Portal do Agro

Redação Portal do Agro