Portal do Agro
Especialista explica a tecnologia por trás do catalisador SCR corrugado à base de vanádio
Notícias

Máquinas agrícolas também devem atender limites de emissões

As máquinas agrícolas, assim como as de construção (rodoviárias), precisam atender aos limites de emissões do PROCONVE MAR-1 que exige, além de modificações nos motores, a utilização de diesel com teor de enxofre reduzido. Com a mudança, a redução da poluição de material particulado da fase MAR-1 pode chegar a 85% e a de NOx até 75% se comparada com motores não certificados ou não regulamentados.

Segundo a Anfavea, a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias atingiu o número de 38.047 mil unidades entre janeiro e outubro de 2020. Comparado ao número de autoveículos, que ultrapassa a marca de 1,5 milhão de unidades no mesmo período, pode não parecer muito, mas ainda assim o uso de catalisadores de acordo com a legislação é parte importante nos ganhos ambientais para a sociedade.

“O catalisador de máquinas agrícolas, assim como motocicletas e automóveis, é uma das medidas essenciais para a diminuição dos gases poluentes na atmosfera, já que praticamente neutraliza a geração de óxidos de nitrogênio (NOx)”, afirma Almir Ribeiro, gerente de Negócios da Umicore e especialista em tecnologias para redução de emissões em fontes fixas.

Catalisador SCR para máquinas agrícolas

Para que as novas máquinas possam atender aos limites de emissões da fase MAR-1, uma das tecnologias empregadas é a Redução Catalítica Seletiva ou Selective Catalityc Reduction (SCR), em inglês.

Nesta alternativa, o reagente líquido Arla 32 é pulverizado no gás de escapamento, ocorrendo uma reação química no catalisador que praticamente neutraliza a geração de NOx. Nos casos da utilização do SCR, pode haver um mecanismo de avaliação conhecido como OBD (On-Board Diagnose), que identifica a presença do Arla 32 e registra as falhas causadas pelo não uso do reagente. O OBD também poderá reduzir a potência do motor no caso de falta de Arla 32, além de alertar o operador por meio de luzes indicadoras no painel. Quanto ao material particulado (MP), esse poluente é reduzido no próprio motor durante a combustão.

“A Umicore produz catalisadores com toda a tecnologia necessária para atender a legislação no País, cumprindo as metas de emissão de NOx enquanto mantém a alta eficiência de combustível e a durabilidade. A preservação do meio ambiente também passa pelos setores agrícolas e de construção, e estamos preparados para essa contribuição”, finaliza o especialista.

Sobre a Umicore

A Umicore é um grupo de tecnologia de materiais e reciclagem. A empresa foca suas atividades em áreas de aplicação, nas quais seu conhecimento na ciência dos materiais, química e metalurgia faz a diferença. As atividades são organizadas em três grupos de negócios: Catálise, Energia e Tecnologia de Superfície e Reciclagem. Cada área é dividida em unidades de negócios direcionadas ao mercado, oferecendo materiais e soluções que estão no topo de novos desenvolvimentos tecnológicos e que são essenciais no dia a dia.  A Umicore investe a maior parte de suas receitas e dedica seus esforços de P&D para materiais de mobilidade limpa e reciclagem. O objetivo da empresa de criar valor sustentável baseia-se em sua ambição de desenvolver, produzir e reciclar materiais de forma a cumprir sua missão: “Materiais para uma vida melhor”. As operações industriais e comerciais da Umicore, assim como as atividades de P&D, estão localizadas em todo o mundo para melhor atender sua base global de clientes. O Grupo gerou uma receita de vendas de EUR 17,5 bilhões em 2019 e atualmente conta com 11.152 colaboradores.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Amapá se organiza para produzir biocombustível a partir do cultivo da batata-doce

Redação Portal do Agro

Brasil consome 21,5 milhões de sacas de café em 2017, diz pesquisa da Embrapa

Redação Portal do Agro

Amapá quer priorizar a produção de alimentos na retomada econômica

Cleber Barbosa