Portal do Agro
Colunistas

Marcus Rezende: Entalamento do capim, um erro comum que deve ser evitado

Por Marcus Rezende *

Um erro muito comum na pecuária de corte, no manejo das pastagens, é errar a mão no momento da entrada ou saída dos animais das pastagens, hora baixando o capim além do limite, hoja não pastejando o bastante, deixando o capim entalar.

Ambos os erros acabam por diminuir a capacidade de lotação dos pastos. O sobrepastejo (pastejo muito baixo) tende a minar gradativamente o vigor do capim, fazendo a planta lançar mão das suas reservas e degradando a pastagem lentamente, perdendo vigor para as rebrotas e exigindo a reforma das pastagens. O outro erro é o subpastejo, um nome bonito para dizer que não se está pastejando o capim até a altura necessária, fazendo o pasto ficar com uma boa cobertura de massa, mas boa parte dessa massa é comporta por talos. Isso além dos talos serem mais ricos em fibras de baixa digestibilidade, baixo valor nutricional ou seja: o pasto fica algo, mas de muito baixa qualidade e, principalmente, inacessível aos animais, afinal: boi não come talo, come folha!

Muitos produtores ainda têm em mente que pasto bom é pasto alto, mas a coisa não é bem assim. Pasto bom é pasto bem manejado, em que se aproveita o capim ao máximo, sem deixar ele baixar para se ver o chão, tampouco alto que a planta lance talos ou o animal precise levantar a cabeça para comer a ponta do capim.

O manejo correto, permitindo que os animais comam o capim até o limite de cada cultivar é algo que, combinado com o tempo correto de descanso e recuperação da pastagem, permite a maximização do uso da forragem sem abalar a longevidade do pasto. O rodízio de pastagem, a divisão em pastos menores são ferramentas muito úteis nesse objetivo e não importa se por cercas tradicionais ou cercas elétricas, quando bem manejadas, ambas se encaixam como uma luva para maximizar o uso das pastagens.

CERCA ELÉTRICA

Ela apresenta uma série de vantagens além do custo, mas a que mais me agrada é a mobilidade que ela dá ao produtor. Mas antes de lançar mão dessa tecnologia, eu recomendo ao amigo produtor conhecer a tecnologia em uso no campo, conversar com quem faz uso, visitar uma propriedade, discutir com um técnico sobre as vantagens e benefícios para somente depois lançar mão da tecnologia. Digo isso para que futuramente não venhamos a culpar a tecnologia por falhas no manejo, implantação ou assistência técnica. A tecnologia é boa, mas é preciso saber usá-la.

PERDI A MÃO NO MANEJO E MEU PASTO ENTALOU

Essa é uma afirmação que ouço com mais frequência que gostaria e a solução que algumas vezes apresento faz muito produtor torcer o nariz para a minha sugestão. Quando deixamos o capim crescer além do limite é preciso baixá-lo a todo custo: a primeira opção é aumentando a lotação naquele pasto específico até que os animais baixem o capim a uma altura aceitável. A outra opção, a que causa estranheza em muitos produtores, é por meio do uso de um equipamento esquecido e até considerado “medieval” por muitos produtores e técnicos; a ROÇADEIRA! Esse é um implemento que deve ser usado para baixar o capim quando os talos ganham mais espaço que as folhas. E quando perceber o capim entalado, que não demore para usar, pois as plantas tendem a lançar mais talos para que as folhas acessem a luz do sol, ou seja: quando mais tempo demora para eliminar os talos, mais talo e menos folha se tem.

Entrando com a roçadeira no limite do capim cultivado é evidente que um pouco de folha será cortado, mas o fundamental é que os talos também são baixados e, ao lançar novas brotações, o capim produz novas folhas, objetivo de quem deseja bons pastos!

É certo que a boca do gado é a melhor maneira de aproveitar as folhas e evitar os talos, e por isso o produtor deve estar atendo à altura do capim e não ter pena de aumentar a lotação nos casos de o capim estar sob risco de passar da altura e começar a entalar. Se um pasto passa por essa situação com certa frequência, acende o alerta para a necessidade de dividir esse pasto, pois como os animais têm seletividade no pastejo, muito provavelmente há uma área de pasto sobrepastejado e outra subpastejada; então: cerca nele!

Sucesso…

(*) Marcus  Rezende é Médico Veterinário com Mestrado em Ciência Animal, MBA em Gestão Empresarial e Marketing com mais de 15 anos de experiência nos mercados Brasileiros e América Latina. Hoje é colunista do Canal Terra Viva, do grupo Bandeirantes de Comunicação, além de Gerente de Trade Marketing de uma da maiores multinacionais do Agronegócio mundial. Autor e coautor de livros e cartilhas voltadas ao setor do agronegócio e saúde animal, além de diversos artigos científicos, Marcus é o nosso novo colunista.
DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Marcus Rezende: A retomada de negócios com a Arábia Saudita

Cleber Barbosa

Juan Monteiro: Agro é tudo, como diz aquela propaganda, vamos reconhecer!

Cleber Barbosa

Marcus Rezende: Cigarrinhas nas pastagens, o que fazer

Cleber Barbosa

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies