Portal do Agro
Estudo mostgra que consumidores chineses buscam produtos com sabores mais refinados | WEB
Notícias

Brasil quer aumentar exportação de café para o mercado da China

Cleber Barbosa, da Redação

A busca dos consumidores chineses por cafés com sabores mais refinados e o aumento das vendas online, em razão da Covid-19, podem gerar oportunidades para o Brasil ampliar as exportações de café solúvel para a China e expandir a participação do agro brasileiro no mercado asiático, tanto no físico quanto no e-commerce. É o que mostra um estudo sobre o mercado chinês de café, elaborado pelo escritório internacional da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em Xangai, em parceria com a InvestSP. Segundo o documento, a entrada do café solúvel nos canais de distribuição físico e online pode ser uma boa iniciativa para que os consumidores chineses conheçam o produto brasileiro gradualmente.

O café solúvel é o principal tipo do produto consumido pelo asiático, mas o estudo aponta que há espaço para outros tipos. “Estima-se que o café torrado e moído possa se tornar um mercado incremental ao solúvel quando a percepção do café na China sofrer uma transição de “produto de luxo” para bebida de hábito diário”, diz o estudo. Apesar de o país asiático ser um dos maiores comerciantes, consumidores e produtores de café do mundo, o documento do escritório de Xangai mostra que consumo per capita ainda é muito baixo e tem um enorme potencial para crescimento. O chinês bebe, em média, de 4 a 5 xícaras por ano, enquanto japoneses e norte-americanos consomem anualmente 360 e 400 xícaras, respectivamente.

De acordo com o estudo, a taxa média de crescimento anual do consumo de café na China é positiva e nos últimos cinco anos girou entre 7% e 17%, nível superior aos 2% globais. Além disso, o país está diversificando as origens do café adquirido nos últimos anos. A proporção do grão importado de outros países asiáticos tem diminuído, enquanto a procura por cafés africanos e latino-americanos cresceu nos últimos anos. A participação da América Latina nas importações do país asiático subiu de 15% em 2017 para 24% no ano passado. A parcela africana passou de 5% para 10% no mesmo período, enquanto outros países asiáticos que vendem café para a China tiveram o marketing share reduzido de 58% há 3 anos para 40% em 2019.     

Atualmente, o café do Brasil está qualificado e liberado para exportação para a China na modalidade de acesso facilitado. Dados da Administração Geral de Alfândegas da China (GACC) revelam que, em 2019, o valor das importações de café brasileiro pelo país asiático totalizou mais de USD 24 milhões, um aumento de 12% em relação a 2018.

O escritório da CNA em Xangai também realizou uma pesquisa de campo em pontos de venda como supermercados e atacadistas da cidade. A pesquisa apontou ampla popularidade do café em pó solúvel e instantâneo entre os consumidores, por oferecer maior conveniência no preparo. Nesta categoria de produto, o café com leite tem presença forte nos canais de venda físico e online.

E-commerce

Segundo a publicação da CNA, em comparação aos canais tradicionais, a venda online tem conquistado maior espaço no mercado, em razão do alto grau de desenvolvimento do e-commerce na China. Dados do estudo, baseados em informações de plataformas virtuais, mostram que os pedidos online de café aumentaram 60% em 2018 na comparação com o ano anterior, enquanto o universo de lojas virtuais se expandiu em 32% no mesmo período.

Outros dados compilados pelo escritório da CNA em Xangai apontam que o faturamento de vendas de café online cresceu 169% nos primeiros quatro meses de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019. “Neste contexto, é impossível ignorar o e-commerce como um ponto de venda potencial para o café brasileiro. O impacto da Covid-19 fez com que os chineses comprassem ainda mais online no primeiro semestre de 2020, o que obrigou as plataformas a melhorarem seus modelos de negócios e capacidades tecnológicas”, conclui o estudo.

Clique aqui para ler o estudo.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Debate sobre lacunas tecnológicas nas zonas rurais propõe revolução agrícola digital

Cleber Barbosa

Máquinas agrícolas também devem atender limites de emissões

Redação Portal do Agro

Estudo aponta que PIB do agro é destaque no 2° trimestre de 2020 no país

Redação Portal do Agro