Portal do Agro
Esse é o maior graneleiro a navegar nas águas da Amazônia | Fotos: Divulgação
Notícias

CSSC Amsterdam: A passagem do maior navio graneleiro pelo Amapá

A praticagem do Grupo BAP (Bacia Amazônica Práticos) conduziu o navio CSSC Amsterdam – com 255 metros de comprimento e 43 metros de boca (largura) – para carregar 83.700 toneladas de milho em Santarém (PA). A carga será exportada para Portugal. É um navio da classe Baby-cape, que veio de Nansha (China) e estava fundeado em Macapá (AP). A faina de praticagem foi realizada, com condições ambientais específicas, pelos práticos Leo Morelenbaum e Armando Leitão. Trata-se do maior graneleiro a navegar nas águas da Amazônia.

Até pouco tempo, somente embarcações da classe Handysize, de até 203 metros de comprimento e 32 metros de boca, operavam na região do Amapá, com capacidade de carregamento de 55 mil toneladas. Em agosto, após simulações na Universidade de São Paulo (USP), a praticagem indicou a possibilidade de receber graneleiros ainda maiores. Logo em seguida, chegaram os primeiros Panamax, com 229 metros de comprimento, 32 metros de boca e dois porões a mais de carga, podendo carregar 74 mil toneladas com 13,50 metros de calado (parte submersa do navio).

Manobra

“Estamos quebrando mais um paradigma, superando a previsão inicial das simulações, que era receber navios até a classe New Panamax em toda a Região Amazônica, com 240 metros de comprimento e 40 metros de boca. Agora, já estamos movimentando o Baby-cape. No Porto de Santana (AP), temos condições de fazer o giro na bacia de evolução com embarcações de até 300 metros de comprimento e 50 metros de boca, ficando limitados somente pelo tamanho dos berços de atracação. Já no terminal em Santarém, novas avaliações precisam ser feitas para a definição dos limites operacionais”, diz o presidente da Praticagem do Brasil, Ricardo Falcão, prático na Bacia Amazônica há mais de 20 anos.

A operação segura dessas embarcações só é possível graças a investimentos próprios da praticagem, que faz a sondagem regular das profundidades dos rios da região e o estudo das marés na barra norte do Rio Amazonas. Este trabalho é fundamental porque na Amazônia bancos de areia se movimentam silenciosamente sob as águas, podendo causar encalhes. Além disso, a barra norte apresenta um trecho raso lamoso que delimita o calado. O levantamento das marés no trecho amplia as janelas de passagem para navios mais carregados.

Praticagem

O valor cobrado pela praticagem contempla esses investimentos, além do elevado custo de funcionamento do serviço, que requer lanchas especiais, centro de operações, manutenção, pessoal etc. Em Santarém, para fazer a entrada de um Panamax, atracá-lo, desatracá-lo após o carregamento e conduzi-lo no caminho de volta a Macapá, o preço da praticagem é R$ 7,54/tonelada; para um trajeto de mil quilômetros ida e volta. Para uma embarcação com a capacidade de um Baby-cape, o valor cai 30%.

Para levar a mesma tonelada de Sorriso (MT) a Miritituba (PA), de onde a carga segue por barcaças até Santarém, o custo rodoviário é de R$ 170. O terminal que vai embarcar a carga, por sua vez, cobra R$ 44/tonelada; no caso do carregamento do CSSC Amsterdam, R$ 3.862.800 no total.

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Tecnologia: Máscara transforma gás metano do arroto do gado em água

Redação Portal do Agro

Livre de aftosa com vacinação, Amapá pode exportar rebanho, diz diretor da DIAGRO

Redação Portal do Agro

CNA estima prejuízos do agronegócio em R$ 6,6 bilhões com bloqueios de estrada

Redação Portal do Agro