Portal do Agro
Tecnologia permite que agricultores possam ter produção própria na propriedade rural | Foto: Divulgação
Notícias

Bioinsumos auxiliam produtores no controle de pragas e na redução de custos

O interesse dos produtores rurais brasileiros pela produção de bioinsumos dentro das propriedades tem se tornado cada vez maior. As técnicas naturais de controle de pragas e doenças são consideradas eficientes, seguras e contribuem para a redução de custos. Os bioinsumos abarcam uma ampla gama de produtos de origem biológica, como microrganismo, insetos, biomassa e diversos biopreparados e são utilizados também para a nutrição das plantas, impactando positivamente a produção agropecuária. 

Os tomates orgânicos do produtor Sávio Ferreira, de Planaltina de Goiás, por exemplo, recebem uma nutrição feita por ele mesmo. A fórmula foi passada por especialistas seguindo todos os protocolos necessários. Segundo Sávio, esses bioinsumos de fabricação própria ajudaram a trazer mais assertividade na aplicação e principalmente a reduzir custos. “Você analisa a fase da planta e faz as dosagens conforme a necessidade que ela apresenta no dia a dia”, disse.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) tem participado de diversos debates sobre o assunto, sempre defendendo a liberdade dos agricultores para que eles continuem produzindo bioinsumos para uso próprio em suas propriedades. “O agricultor já faz isso há bastante tempo e de forma segura. Não existe, portanto, nenhuma justificativa para impedir que o produtor continue produzindo bioinsumos na propriedade”, afirmou o consultor de tecnologia da CNA, Reginaldo Minaré.

Segundo ele, a CNA, no trabalho de construção das normas para a produção de bioinsumos, atuará para garantir a liberdade dos agricultores e contribuir para que as normas sejam as mais objetivas e funcionais possíveis.

Embrapa

A produção desses produtos biológicos não é uma tarefa fácil. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o produtor deve contar com o auxílio de um técnico para que o produto final seja de qualidade. “Esses produtos estão dentro do decreto da Lei dos Orgânicos e têm sido utilizados na cultura orgânica e em alguns casos na convencional e quando feitos de forma correta são muito eficazes. Cada microrganismo tem sua característica própria e é necessário ter estrutura, controle de qualidade adequado e um responsável técnico na propriedade”, explicou a pesquisadora da Embrapa, Rose Monnerat.

O engenheiro agrônomo, produtor rural e herdeiro acionista do Grupo Agrosalgueiro, Rogério Mitsunobu Aoyagui, disse que, com o uso de bioinsumos, em cinco anos de safra de soja, a produção teve incremento de 22% e redução de 20% dos custos. “A produção sustentável não é só o uso de bioinsumos, mas o tratamento de sistema, reduzindo custos elevados e uso excessivo de recursos. É produzir cada vez mais por hectare, respeitando o meio ambiente, garantindo cada vez mais alimentos saudáveis para a sociedade”.

A produção de bioinsumos no Brasil deve crescer nos próximos anos. O Programa Nacional de Bioinsumos apresentado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) traz importantes pontos para desenvolver o setor, como acesso a crédito e regulamentação da atividade dentro da fazenda.

O fomento será feito via crédito rural nas modalidades de custeio para aquisição de bioinsumos ou investimento para montagem de biofábricas. As linhas para esse financiamento estão no Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro). “A proposta do Ministério é dar segurança jurídica aos produtores de uso convencional de que esses produtos podem ser produzidos para uso próprio de acordo com a lei do decreto vigente”, informou o diretor de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas do Mapa, Carlos Goulart.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Dezembro indica chuvas acima da média no Amapá, prevê meteorologia

Cleber Barbosa

Confira as opções de “Carnaval Rural” de algumas lideranças da agropecuária do Amapá

Redação Portal do Agro

Ministro Blairo Maggi confirma visita ao Amapá dia 5 para chancelar o fim da aftosa

Redação Portal do Agro