Portal do Agro
Artigos Colunistas Destaque

POR QUE O AGRO É CONSERVADOR?

O conservadorismo é uma força que ganhou notoriedade nos últimos anos em contraposição ao liberalismo de costumes que tomou conta da mídia, ruas e alçou voos de uma doutrinação ideológica em muitos setores da sociedade. Tendo caído na graça das classes artísticas e das ciências humanas, o liberalismo cresceu em número de adeptos, no tamanho das pautas e no radicalismo com que essas pautas são defendidas e, após décadas, finalmente encontrou um contraponto discreto, mas ao mesmo tempo muito sólido e com uma força até bem pouco tempo desconhecida; o núcleo duro do agronegócio, conservador por natureza!

O agronegócio e o conservadorismo se entrelaçam de tal maneira que muitos entendem que um só se mantêm forte graças ao outro. Talvez o agro não existisse sem ideias e costumes conservadores. Afinal: sem o rigor de uma fé, de uma família estruturada em costumes e em valores rígidos não teríamos terras lavradas, cidades construídas e regiões povoadas. Mas engana-se quem entende esse conservadorismo de valores como atraso, ignorância, o ou falta de instrução. Afinal, o agro é um dos setores mais vanguardistas do mundo, responsável pela produção de alimentos, expansão territorial, geração de riquezas, emprego e desenvolvimento em todas as regiões nas quais se instala. Lembro ainda que boa parte do povoamento de diversos países do mundo só aconteceu graças à coragem e à charrua do homem do campo; de Iowa (USA) a Sorriso (Brasil), de Lome (Togo) à Santa Fé (Argentina) o braço forte do agronegócio foi fator decisivo no desenvolvimento dessas cidades e regiões.

Se o conservadorismo é uma ideologia que enfatiza a preservação de valores tradicionais, instituições e modos de vida; o agronegócio é o setor econômico que não simplesmente se enquadra perfeitamente, mas é e vive isso em toda a sua essência. Um setor que vai da produção, ao processamento, transporte e comercialização de produtos agrícolas em larga escala. Uma classe de trabalhadores e empresários que faz suas orações para chover, para fazer sol, para boas colheitas e bons plantios. Uma classe formada por pessoas faz promessa e votos para seus animais se recuperarem de convalescências. E isso acontece desde que o mundo é mundo! Desde que a primeira semente foi conscientemente lançada ao solo pela! Mas não só de fé vive o agro; esse é um dos setores que mais investe em pesquisa e desenvolvimento.

Para quem estranha quando eu falo do agronegócio como um setor disruptivo, basta olhar pela janela e ver plantios de soja no cerrado. Criação de bovinos taurinos em regiões áridas e quentes, criação de peixes em cativeiro, ciclo do frango de menos de 45 dias, do nascimento de bezerros com sexo pré-determinado e, caminhamos a largos passos para em breve tempo termos fazendas de suínos produzindo células e órgãos para transplante. É; só se surpreende com o agro quem não o conhece de perto!

Mas conservadorismo e vanguardismo são bandeiras verdadeiramente opostas? É evidente que NÃO! E essas forças encontraram terreno fértil na agricultura, pecuária, cooperativismo e muitas outras áreas do agronegócio. A necessidade de união da família, das comunidades que compartilham visões religiosa, social, econômica e política foram, são e serão importantes para toda e qualquer atividade que pretende ter a perenidade que o agronegócio tem.

O papel desempenhado pelo agronegócio dos países onde a atividade é forte mostra o quão importantes são seus valores para a construção de uma sociedade forte, estável e segura. Nesses países, grande parte da força econômica vem do campo, como importante geradora de riquezas, empregos, investimentos, pesquisas e receita fiscal. No Brasil o setor agropecuário é um dos principais motores da economia, contribuindo com mais de 25% no Produto Interno Bruto (PIB). Sim, um quarto das riquezas produzidas no país vem do agronegócio! E quando analisamos o superavit primário, aí o agronegócio brasileiro dá um verdadeiro show, pois sem ele a balança comercial brasileira seria negativa.

Mas de onde vem essa união que mostrou uma força jamais vista nos últimos anos e que amedronta de tal maneira alguns setores que vem se unindo e trabalhando diuturnamente na tentativa de destruir esse núcleo duro do conservadorismo? Seria essa campanha contra o agro ou aos valores que ele representa e defende?

Vale lembrar que além do aspecto econômico, o agronegócio desempenha um papel importante na segurança alimentar global, fornecendo produtos agrícolas para atender às crescentes demandas da população mundial. Vale lembrar que o agro é composto desde pequenos produtores de leite, fumo, hortaliças até grandes produtores de grãos com milhares de hectares plantados, e que independente do porte ou da cultura, em maioria comungam de um mesmo ideal conservador de liberdade, progresso, religião e família. Vale lembrar que acatar o agro é atacar aquele que vive para produzir alimentos que estavam na sua mesa do café da manhã de hoje e estarão na sua mesa do almoço e jantar.

Esse setor tão diverso que enfrenta desafios complexos para produzir, tem nos valores conservadores uma candeia que não os permite desistir da atividade que está sob furioso ataque midiático, econômico e invasões de terra. Mas lembro que o agricultor não precisa da terra ou do alimento produzido por ela, ele poderia vender tudo aquilo e com o dinheiro ganho viveria tranquilamente na cidade, colhendo os frutos dos juros improdutivos. No entanto, o homem do campo é um apaixonado pela terra, pelos animais que cria, pela natureza que lhe é dada como benção de um Deus que ele cultua com devoção que incomoda os usurpadores de consciência.

Nos últimos meses vimos a queima dos estoques reguladores de grãos, importação de leite, elevação dos juros e afrouxamento nas leis que tem veladamente incentivado o retorno das invasões de terra e outras medidas atabalhoadas, para não dizer orquestradas, que vem complicando a vida do homem do campo.

Mas até onde? Não pergunto até onde o homem do campo resiste, pois esse foi forjado em uma vida de desafios. Eu pergunto até onde a economia brasileira aguenta a sabotagem ao homem do campo? Pois basta um ano sem o agro triunfar para o Brasil naufragar e você se desesperar pela escassez e elevação no preço dos alimentos.

MARCUS REZENDE

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão é adiado para julho de 2021

Redação Portal do Agro

Iniciativa privada anuncia investimentos de R$ 1 bi na construção de portos em Santana

Redação Portal do Agro

Amapá participará de debate internacional sobre agronegócio do pescado

Cleber Barbosa

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Nós vamos assumir que você está bem com isso, mas você pode optar por sair se quiser. Aceitar Ler mais

Política de Privacidade & Cookies