Portal do Agro
Aspecto de encontro entre autoridades do Governo e do Exército em Macapá | Fotos: Márcio Pinheiro
Destaque Notícias

Exército entrega mapeamento de terras rurais para Amapá iniciar regularização fundiária

O Governo do Estado recebeu nesta quarta-feira, 19, os primeiros resultados dos trabalhos de campo da regularização fundiária das terras amapaenses, que inclui Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari. As áreas foram demarcadas pelo 4º Centro de Geoinformação do Exército Brasileiro (CGEO). A instituição militar foi contratada pelo governo em dezembro de 2018 para desenvolver o mapeamento das terras rurais (georreferenciamento).

Durante encontro que abordou os resultados, o governador Waldez Góes classificou o momento como uma conquista para a sociedade. Ele reforçou que o serviço viabilizará, em breve, as transferências das terras da União para o Amapá.

Além disso, outro resultado será a emissão dos primeiros títulos para que os agricultores tenham direito à propriedade, o que proporcionará a eles segurança jurídica, para, por exemplo, acessar créditos rurais. “Decidimos contratar o Exército Brasileiro para executar o processo de regularização fundiária. Esse trabalho é fundamental porque o poder público deve ter 100% de governança territorial e ambiental para fortalecer atividades econômicas”, disse.

Também, Waldez Góes ressaltou que, em outra parceria com o Exército, o Amapá investiu mais de R$ 20 milhões na atualização e ampliação da rede geodésica e base cartográfica.

Demarcação

De acordo com o chefe do 4º CGEO, tenente-coronel Osvaldo da Cruz Morett Netto, a equipe fez a delimitação das áreas durante três meses. Ele detalhou que as coordenadas geográficas são materializadas no terreno através dos marcos. “Fizemos a demarcação em uma região de 83 km de perímetro de selva, em Serra do Navio, e de uma área de 23 mil hectares na região de Água Fria, em Pedra Branca do Amapari. Foram 121 marcos implantados e 21 plantas como resultados”, explicou.

Próximos passos

Segundo o Instituto Amapá Terras, após a conclusão do georreferenciamento, ainda haverá alguns procedimentos legais para efetivar a transferência das terras da União para o estado. Até 2022, o Exército atuará na demarcação de outras terras como as de Tartarugal Grande, Matapi I e AP-04, áreas rurais localizadas no interior do Amapá.

Através de uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Governo do Estado também investe no Zoneamento-Ecológico-Econômico (ZEE). O ZEE é um instrumento fundamental para o planejamento e ordenamento de território, harmonizando as relações econômicas, sociais e ambientais que nele acontecem.

Como presidente do Consórcio da Amazônia Legal, Waldez destacou na reunião que os trabalhos relacionados à governança territorial e ambiental também são prioridades para o grupo composto por governadores dos nove estados amazônicos.

 
 
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO:

Publicações Relacionadas

Segura peão! Rodeio da 1ª ExpoBúfalo reúne 15 competidores amapaenses

Redação Portal do Agro

Pesquisa aponta caminhos para agropecuária do Brasil devido as mudanças climáticas

Redação Portal do Agro

Tecnologia e sustentabilidade aumentam produtividade em áreas de Cerrado

Redação Portal do Agro